PUBLICIDADE

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Por que doem as articulações quando há mudanças de tempo?


Penso que todos nós já sentimos, ou já ouvimos alguém queixar-se das dores esqueléticas sentidas quando fica mau tempo. Normalmente as dores antecedem mesmo a chegada da chuva ou do frio, fazendo-nos tornar uns autênticos meteorologistas. Não é um mito. É um facto facilmente explicável. Por exemplo, o meu joelho direito dá sempre sinal quando há uma mudança brusca do tempo, o que também faz de mim um expert na matéria:-)

Quando o tempo muda para frio ou para chuva, é acompanhado por uma baixa da pressão atmosférica, fazendo com que todo o ar que nos rodeia exerça menos pressão sobre o nosso corpo. Havendo menor pressão sobre o corpo, há um aumento do volume de algumas partes do corpo humano. Explicando de uma forma leiga, imaginem que o nosso corpo, como matéria que é, está sempre a ser empurrado “para dentro”. Quando a pressão exterior diminui, ele consegue “empurrar-se” para fora.

Mas, em que medida a diminuição da pressão atmosférica, pode provocar dor nas articulações?


Normalmente essas dores acontecem nas articulações, estando os joelhos, tornozelos, pulsos e ombros na lista dos mais afetados. Pois, essa baixa pressão atmosférica permite aos tecidos moles, e ao líquido sinovial, existentes nas nossas articulações, uma expansão, muitas vezes provocando edema, dificuldade de mobilidade e a natural dor

. O que acontece é que as articulações ficam com menos espaço para o movimento, são apertados os nervos e são estes que nos dão a sensação de dor. Claro que essa dor e esse edema acontecem normalmente a quem tem uma lesão recente ou crónica, tal como artrites. Daí que os mais afetados são os desportistas e os idosos.
Muitas vezes, essa sensação de dor ou mal-estar também acontece num osso onde já existiu uma fratura, mesmo não sendo numa articulação. Esse fenómeno é explicado pela diferença de densidade óssea existente no osso saudável e na parte do osso anteriormente fraturada. Normalmente, nestes casos de fratura em zonas não articulares, não se sente muita dor, apenas a “existência” do osso, e o lembrar da antiga lesão.
 Afinal de contas, os nossos idosos, que são os que mais sofrem deste “caruncho”, sabem bem aquilo que dizem e que sentem. Só não sabem é explicar porquê! :-)

Carlos Oliveira


Sem comentários:

Publicar um comentário