PUBLICIDADE

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Como se prepara um ultra trail de 300 km e 26.000 D+? Entrevista aos 3 amigos que vão realizar La Petite Trotte à Léon, no Mont Blanc! A Insana Aventura ao Mont Blanc!

Como alguns têm conhecimento, o Vive o Desporto tem acompanhado e divulgado a preparação da Insana Aventura ao Mont Blanc, um desafio épico que será realizado por três ultramaratonistas em agosto, nos Alpes.
Há já algum tempo que me vou interrogando de como se desenvolve o planeamento de um ultra trail, por parte de um atleta amador, que tem a sua vida profissional, a sua família e tudo o que faz parte do dia-a-dia de um cidadão comum. Se já é difícil conciliar o trabalho e a família na preparação de pequenas provas, como será preparar uma aventura “insana” de trail de 6 dias, 300 km e 26.000 metros de desnível positivo em redor do Mont Blanc, nos Alpes?

O Aires Barata, o Diogo Tavares e o Hugo Rocha, são os 3 amigos aventureiros que vão fazer esse desafio no dia 24 de agosto de 2015 e, dentro do seu tempo apertado, concederam uma entrevista onde nos contam a preparação de um evento desta dimensão.


Vive o Desporto: Como e quando surgiu a ideia de realizar um evento desta magnitude?

A ideia de nos aventurarmos nesta aventura surgiu já em 2012, quando estava (Aires) em Chamonix para a 10ª edição do UTMB. O Hugo Rocha passou por lá em passeio e conhecemos os dois Madeirenses, Gonçalo Silva e Pedro Alves, que participaram na prova. Nessa altura ainda achávamos que era uma aventura impossível, mas o bichinho ficou. No ano passado, voltámos a Chamonix para o UTMB (Aires) e TDS (Rocha) a respirar aquele ambiente que envolve a prova. Achámos que estava na altura de deixar de pensar que, “quando fôssemos grandes, havíamos de fazer aquela prova” e foi a ver partir os participantes do ano passado que chegámos à conclusão que em 2015, também nós teríamos que estar naquela linha de partida!
Há aventuras difíceis, há as insanas, mas creio que posso falar por toda a equipa, não há aventuras impossíveis!

Vive o Desporto: Façam uma pequena descrição do evento.

La Petite Trotte à Léon é um evento de ultra-resistência em equipa, de dificuldade extrema, que se realiza em alta montanha, longe de caminhos trilhados. Este evento não é uma corrida, é uma experiência. Uma longa jornada realizada em autonomia total por uma equipa determinada de 3 amigos.
A aventura consiste em contornar a totalidade do maciço do Monte Branco em equipa, passando por três países: França, Itália e Suíça durante 300 km e 26 000 m de desnível positivo pelas zonas mais inóspitas da montanha. Atravessamos em corrida, a passo e, muitas vezes, em escalada. Paisagens únicas, aldeias de montanha, lagos, glaciares e os mais emblemáticos colos do maciço alpino!
Esta prova está integrada no evento Ultra-Trail du Mont-Blanc®.
Vive o Desporto: Mesmo ainda faltando 2 meses e meio, quanto tempo é despendido diariamente na preparação deste evento: no treino, logística, divulgação do evento, etc.
Como é fácil de imaginar, uma aventura destas necessita de uma logística complexa que vai desde os requisitos para a inscrição da prova, aquisição de equipamento técnico, transporte e estadia até ao planeamento de treino e nutricional.
No que toca à divulgação do projeto, tem sido um processo bastante intenso e nada disto seria possível se não fosse o incessante envolvimento e apoio dos nossos amigos e família. Há em curso uma campanha de crowdfunding na plataforma PPL:
http://ppl.com.pt/pt/prj/mont-blanc-ptl-2015 para a angariação de fundos para a nossa aventura. No que toca a divulgação, para já temos agendadas duas entrevistas para uma rádio e um jornal de grande público. E claro, plataformas da especialidade, como vocês, dão uma ajuda fantástica ao nosso projeto.

Vive o Desporto: Falando em treino: como se treina/prepara um trail de 300 km?

De facto, cada vez que nos ocorre a equação 300 km com 26 000 D+ em menos de 142 horas, é uma vertigem assustadora.
E, nestes momentos, que me ocorre uma frase do Seth Godin que diz “If it scares you, it might be a good thing to try”.
Não somos atletas, somos tipos normais que, quando há tempo, fogem a correr para onde se respira o ar puro, onde só se ouvem os animais, a água a correr e o vento a soprar nas orelhas. É neste ambiente que treinamos. Escolhemos a montanha porque gostamos de subir e subir, porque a seguir é a descer para subir novamente.
Nos últimos meses, temos só escolhido provas de montanha acima dos 100 km, como o MIUT K115, GTA K130, OMD K160 e a diabólica/deliciosa UTSF K100 ainda este mês.
Mas uma coisa é certa e incontornável, ninguém treina para 300 km!


Vive o Desporto: O que os move para desafios cada vez maiores? Os imensos sacrifícios que enfrentam não os fazem pensar, por vezes, que já basta?

Acho que é unânime, o que nos move para desafios maiores, é a superação dos desafios anteriores. Na prática, é o passo em frente, nenhum de nós o faz pela competição, é o prazer que tiramos dos percursos (quanto mais técnicos melhor), das paisagens de cortar a respiração, do convívio e partilha com a natureza que nos leva a sair do conforto das nossas casas para ir desfrutar do (des)conforto dos “hotéis“ de milhões de estrelas que encontramos por essas serras fora. Deste modo, ao superarmos  um desafio, podemos analisar se estamos em condições para avançar para outros cada vez maiores.
No fim do dia, a condição física e experiência que se vai obtendo em cada desafio (e na sua preparação), são um meio de nos podermos aventurar cada vez mais e abraçarmos desafios cada vez mais arrojados.

Vive o Desporto: Qual a logística do evento propriamente dito? Alimentação, dormida, higiene. Afinal são 5 noites numa das montanhas mais difíceis da europa.

Esta é a “Million dollar question”, é aquela que estamos a descobrir a resposta todos os dias e presumimos que só teremos a resposta completa quando chegarmos à meta. Sempre que nos juntamos para um treino ou mesmo uma conversa, descobrimos algo “que nos pode dar jeito” ou que “é pá, temos que salvaguardar isto”.
A organização vai fornecer-nos, mais perto da data da prova, o percurso detalhado da mesma. Nessa altura, teremos de discutir a estratégia que vamos seguir, assim como os planos B, C e se calhar o D também. Essa estratégia vai passar essencialmente pelas nossas perspetivas de timings de passagem por determinados pontos onde possamos obter algum apoio, nomeadamente os 3 bases de vida, onde teremos acesso aos nossos sacos com material e alimentação e essencialmente os pontos onde vamos dormir/descansar. De acordo com o que temos lido, esta escolha é um dos fatores críticos de sucesso para esta aventura. Os Alpes têm vários abrigos de montanha ao nosso dispor e o conforto e proteção contra o meio, que é naturalmente adverso, poderá fazer toda a diferença em termos de tempo útil de descanso, e consequentemente, de prova.
De resto, a organização é extremamente exigente em termos de material obrigatório que estará constantemente connosco, e aí não há grande margem, é andar com ele às costas (curiosamente, não faz parte do material obrigatório uma escova de dentes… pessoalmente, recomendo!).

Vive o Desporto: Para concluir. Que conselhos dão a quem se está a iniciar no trail running, especialmente nas distâncias ultra?

Calcem uns ténis com rasto, saiam da estrada e mergulhem no bosque ou montanha mais perto da vossa casa. Vão achar incríveis as coisas que existem por lá, a alegria que é chegar ao topo, o corpo treme todo e sentes-te vivo, a pulsar liberdade. Partilhem com os vossos amigos o novo segredo e não tardará muito o desafio de 10 km passar para 20 e, “se o bicho morder”, o céu é o limite.

Podem seguir todos os acontecimentos desta aventura no grupo: https://www.facebook.com/groups/ainsanaaventura/

Carlos Oliveira

Sem comentários:

Publicar um comentário