PUBLICIDADE

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Prémios monetários no atletismo: comparação entre as maratonas de Nova Iorque, Porto e Rio de Janeiro

Apesar de um enorme aumento de praticantes de atletismo em Portugal na última década, quer atletas de rua, quer atletas federados, de 12.500 no ano de 2000, para 14.500 atletas em 2012, como podem verificar em http://www.viveodesporto.com/2014/09/evolucao-dos-atletas-federados-em.html, os nossos resultados nas grandes competições internacionais têm decaído. Um grande exemplo, foi a nossa muito má prestação nos últimos europeus.

No meu entender, um dos grandes fatores prende-se com a falta de incentivos e refiro-me a compensações monetárias para os atletas. Há imensos atletas com enorme potencial, pois verificam-se excelentes resultados internacionais na formação. No entanto, à medida que a idade vai aumentado, a exigência também. E a verdade é que os apoios não são suficientes para que se possa viver do atletismo e abdicar de tudo o resto. Ter o seu dia de trabalho, estar com a família e ter disponibilidade para treinar, não se compadece com a obtenção de resultados capazes de lutar pelas grandes provas, pelo menos durante um período de tempo longo.
Nos últimos anos os prémios monetários nas provas de estrada têm vindo a diminuir. Fiz uma pesquisa por algumas provas internacionais e verifiquei que os prémios são baixos e distribuídos por muito poucos. Na década de 90, era ainda júnior, e era comum haver prémios monetários em provas sem grande expressão. Nessa altura ganhei muitas vezes prémios monetários, ou vales para trocar por artigos desportivos, em provas de aldeias, ou vilas. Nem me refiro a provas internacionais, pois aí não ocupava os lugares cimeiros da classificação.

Fiz um levantamento dos prémios atribuídos este ano na Maratona de Nova Iorque, Porto e Rio de Janeiro. Toda a informação completa está no site das respetivas provas. Fiz o câmbio de todas as provas para Euros.
Todas as provas distribuem para além dos prémios aos 10 da geral, outros prémios por recordes batidos, tempos abaixo de determinadas marcas estabelecidas, prémios por escalão etc. Considerei interessante dois fatores na maratona do porto: a atribuição de prémios para os melhores portugueses e a diminuição dos prémios da geral para metade se não forem conseguidas determinadas marcas.



VALORES EM EUROS (€)

CLAS.
Nova Iorque
Porto
Rio de Janeiro
1.º
92.000
7.500
4.900
2.º
55.000
5.000
2.350
3.º
37.000
3.000
2.000
4.º
23.000
2.000




10.º
2.300
500
245
                                                             PRÉMIOS EXTRA
                      

25.000€ ( record do mundo)

9.200€ ( abaixo 2h10m) MASC.
1.500€ ( abaixo de 2h11m) – MASC.
9.200€ (abaixo 2h27m) FEM.
1.500€ (abaixo 2h29m) – FEM.


46.000€ ( abaixo 2h 05m) – MASC.
7.500€ ( abaixo 2h 07m) – MASC.
46.000€ ( abaixo 2h 22m) – FEM.
7.500€ ( abaixo 2h25m )– FEM.

Podem parecer valores bons, principalmente na maratona de NY, mas são migalhas comparativamente com o que ganham os jogadores de futebol na europa, e não temos de ir às grandes figuras do futebol, apenas jogadores medianos. Não esquecer que a maratona de NY é uma referência mundial, onde os grandes atletas querem estar no seu melhor momento. E os prémios são para tão poucos!
A Sara Moreira, que conseguiu a 3.ª posição no ano passado e 4.ª posição este ano, sendo a melhor europeia, para além de conseguir o prémio da geral, também conseguiu fazer registos muito bons que lhe aumentaram o prémio final. Muitos parabéns para ela pois, para além do seu talento natural, é extremamente trabalhadora. Não esquecer que o ano passado foi para NY com o seu filho com meses. Merece bem esta recompensa!

Carlos Oliveira

Sem comentários:

Publicar um comentário